Sobre a cidade

Em 2019, a sede do Intercom Nacional é a cidade de Belém do Pará. Será uma oportunidade ímpar para você conhecer essa cidade rica em história e cultura, com mais de 400 anos e uma população de cerca de um milhão e 500 mil pessoas. Conheça um pouco mais sobre a cidade que oferece experiências únicas a seus visitantes. 

 

Um pouco de história

A capital paraense foi fundada em 12 de janeiro de 1616, no Norte do Brasil. A “cidade das Mangueiras”, como também é conhecida, destaca-se por sua pluralidade, que pode ser vista nas músicas, na culinária, na cultura, nos pontos turísticos e nas manifestações populares que proporcionam as mais diversas oportunidades e vivências.

Ao chegar a Belém, você vai perceber que a cidade reúne as características de uma metrópole com o encanto típico das cidades que ficam longe dos grandes centros. O fluxo de águas, pessoas, ruas e florestas nos transporta a pistas históricas de seus 403 anos, aliando o imaginário sobre a Amazônia e a realidade que só se pode conhecer ao ser experimentada.

Nessa “cidade morena”, há acervos culturais e arquitetônicos que comunicam a história do Pará e da região, além de narrarem as marcas da colonização europeia. Você pode passar pela arquitetura do século XVII no complexo Feliz Lusitânia, vendo exemplares de Art Nouveau únicos no país. Vai “ouvir” os ecos do modernismo no Norte com a arquitetura “Raio que o parta” e, claro, encontrar elementos contemporâneos, como a Estação das Docas.

 

Clima

A chuva é uma rotina por aqui, mas, ao mesmo tempo, o sol vai continuar “torando”! Então use roupas leves para quando estiver na rua, sem esquecer que ambientes internos são todos bastante refrigerados, então um agasalho na bolsa vem a calhar! Temos nossos dias de neblina também de 23°C. Para nós é o verdadeiro “inverno amazônico”, mas em setembro será difícil experimentar essa estação.

O clima equatorial definitivamente pega pesado, então, protetor solar e um guarda-chuva são itens básicos. Dependendo do rolê que você quiser fazer, como o Museu Emílio Goeldi, o Bosque Rodrigues Alves ou o Parque Estadual do Utinga, é bom ter um repelente em mãos, mas não se preocupe, o que não falta aqui são farmácias onde você pode adquirir esses itens.

 

Gastronomia

Belém ainda oferece uma gama de sabores e sensações. A gastronomia, com influências indígenas, africanas e europeias, traz gostos que você não pode deixar de conhecer, com pratos preparados com raízes e folhas da terra, peixes dos nossos rios, temperos e frutas em abundância. O açaí, tão conhecido nacionalmente, aqui tem um jeito próprio de ser consumido e, com certeza, você vai ter que provar. O jambu e o tucupi são outros sabores imperdíveis. Saiba mais na página “Aqui se come bem”.

 

Cultura

Quando passar por uma esquina, você pode “tropeçar” no ritmo do tecnobrega saindo de alguma boca de ferro ou de um bikesom, ir a um baile da saudade para ouvir as marcantesou “ir bater lá em” em Icoaraci para uma roda de Carimbó no Coisas de Negro. Temos ainda o “treme”, o calipso, a guitarrada, o lundu, o siriá, entre outros ritmos, que esperamos que você tenha oportunidade de ouvir e dançar.

Nossa maior manifestação religiosa é cristã, mas bastante sincrética, o Círio de Nazaré. Além dessa que é a maior procissão de rua do mundo, somos abençoados com uma pluralidade de expressões religiosas: temos um grande legado de religiões de matriz africana e ainda fomos a primeira comunidade judaica da Amazônia e do Brasil República. Temos ainda forte representação espírita, messiânica, e Neo Pentecostal, entre muitas outras.

Na literatura, você pode conhecer a história do boto que valseia porta à fora com a dona da festa no “Baile do Judeu”, de Inglês de Souza; o conto do professor nervoso e preocupado com o calor, porque talvez vá encontrar Clarice Lispector no Hotel Central, como imaginado por Maria Lúcia Medeiros; viaja do Marajó até Belém pela saga do “Extremo norte” de Dalcídio Jurandir; e se deslumbra com a poesia moderna de Max Martins.

Em nossas narrativas míticas, você vai aprender sobre a moça do táxi, que desce no cemitério da Soledade, das assombrações, que aqui a gente chama de visagens, e também vai saber sobre os encantados que “moram” nos rios e vieram para Belém. Vai ouvir falar da Iara, da Matinta e da Vitória-Régia e tantas outras histórias e crenças, como o intrigante culto às almas.

Aqui em nosso site, vamos começar a aproximar você e Belém, trazendo dicas, curiosidades, informações e tudo mais que será importante para sua visita em setembro. Torcemos que, para além das atividades do congresso, você também possa aproveitar a cidade, seus pontos turísticos e sua cultura!

Núcleo de Inovação e Tecnologias Aplicadas a Ensino e Extensão – NITAE2 | Universidade Federal do Pará | Belém-PA.