Intercom 2019 reúne quase 3 mil pessoas na UFPA
 para discutir democracia e comunicação

Congresso foi realizado de 2 a 7 de setembro, em Belém, e teve como tema “Fluxos comunicacionais e crise da democracia”.           

            De 2 a 7 de setembro, a Universidade Federal do Pará (UFPA) foi o palco de realização do maior evento científico da área de Comunicação da América Latina, o 42º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Intercom 2019. Sob o tema “Fluxos comunicacionais e crise da democracia”, se reuniram no campus da UFPA, em Belém, mais de 2.600 congressistas oriundos das mais diversas instituições, estados brasileiros, países pan-amazônicos e áreas do conhecimento, considerando o caráter interdisciplinar do evento, além de cerca de 300 pessoas atuando na organização. “Um congresso é uma celebração do conhecimento”, disse o reitor da UFPA, professor Emmanuel Tourinho, na ocasião da cerimônia de abertura, marcando o que significaria, para todos, a sua realização.

          Ao longo de seis dias de evento, foram realizadas importantes programações científicas com foco nos processos comunicacionais da sociedade e questões ligadas à democracia. Entre elas, o IV Colóquio Latino-Americano (Pan Amazônico) de Ciências da Comunicação, que lotou o auditório da SEGE, na Reitoria da UFPA, para discutir a temática “O pensamento comunicacional latino-americano, território e descolonização” com pesquisadores de países como Bolívia, Colômbia, Equador, Venezuela e Brasil.

             O tema central do evento foi discutido, especialmente, no 42º Ciclo de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, realizado no dia 4, e que contou com a conferência de abertura ministrada pelo professor Ramón Salaverría, da Universidad de Navarra. “A fraqueza da mídia coloca as sociedades democráticas em risco. No entanto, estou convencido de que, diante de todas as adversidades, podemos e devemos lutar”, alertou o professor.

          Enquanto local de diálogo, muitos outros fóruns de discussão foram realizados ao longo da programação do congresso. Entre eles, o V Fórum Socicom-Intercom, que fomentou debates sobre percepção pública da ciência e relações com as agências de fomento. Ou o Ensicom 2019, que focou no ensino de graduação para Comunicação Social, em especial as novas diretrizes dos cursos, e estratégias de ensino-aprendizagem. Foi realizado, ainda, o I Colóquio Ciências Humanas, com forte presença de pesquisadores locais discutindo o papel e importância das Humanidades no atual contexto político da ciência brasileira, tendo como tema geral “Ciências Humanas em Xeque”.

            As questões amazônicas, centrais para o momento vivido no país, estiveram presentes no II Ciclo Amazônia, que reuniu personalidades e pesquisadores da região. Na ocasião, os investigadores envolvidos divulgaram a “Carta de Belém para a Amazônia”, alertando sobre os perigos da devastação. Diversos desses eventos contaram com transmissão ao vivo pela internet por meio do link: www.aovivo.nitae.ufpa.br.

           Outro destaque da programação ficou por conta do espaço Ecos da Amazônia, uma feira de produtos e projetos sustentáveis aberta aos visitantes, alunos e congressistas do evento, bem como à comunidade em geral, promovida pela Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), em parceria com a UFPA. “O Ecos surgiu com a proposta de ser uma grande vitrine do que a Amazônia tem a oferecer. Nele, reunimos cooperativas, produtores, empreendedores sociais e projetos ligados à sustentabilidade”, contou Victor Oliveira, idealizador do projeto e pró-reitor de Gestão de Pessoas da UFRA.

           Houve, também, um espaço dedicado à saúde do público, com atendimento a pequenas urgências e palestras sobre saúde, com apoio da Oncológica do Brasil. Ainda teve ações de divulgação das Neurociências e ensino, com exposição e realização de atividades práticas pelo campus, sob a coordenação do prof. João Bento Torres (UFPA). E, ainda, com apoio da Coordenadoria de Acessibilidade (CoAcess) da UFPA, o Intercom 2019 reforçou a atenção aos participantes com deficiência, realizando ações como audiodescrição de palestras para cegos e tradução e interpretação de Libras para surdos.

Ciência e arte em prol do conhecimento científico 

            A Abertura Oficial do congresso foi realizada no dia 4 de setembro, às 19h30, no auditório do Centro de Eventos Benedito Nunes (CEBN) da UFPA. Iniciando logo após a visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré ao campus da Universidade para o Intercom 2019, a cerimônia oficial de abertura reuniu participantes do congresso, membros da Diretoria da Intercom, convidados do evento, autoridades locais e a comunidade em geral da UFPA. No cerimonial, além das falas oficiais, houve apresentações de artistas locais, com destaque para os grupos da Escola de Teatro e Dança e da Escola de Música da UFPA. A transmissão ao vivo foi realizada pelo site www.aovivo.nitae.ufpa.br.

       Para dar início, os artistas Renato Torres (O Brincante) e Armando de Mendonça apresentaram, por meio de música e poesia, uma reflexão ao público sobre a incomunicabilidade dos tempos atuais, nos chamando atenção para a necessidade de cultivarmos a comunicação de forma a colher bons frutos para a vida em sociedade. Em seguida, lendas e mitos, de dar medo ou esperança, foram explorados na voz de Marcia Aliverti, com Adriana Azulay no piano. As obras “Boiúna”, “Matinta” e “Uirapuru”, do mestre Waldemar Henrique, foram as escolhidas para deixar os congressistas no clima amazônico.

           A mesa de abertura contou com a presença do professor Emmanuel Zagury Tourinho, reitor da UFPA; professor Marcel do Nascimento Botelho, reitor da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA); professor José Miguel Martins Veloso, diretor do Núcleo de Inovação e Tecnologias Aplicadas a Ensino e Extensão (NITAE2); professora Maria Ataide Malcher (UFPA), coordenadora da Comissão Organizadora local; professora Margarida Maria Krohling Kunsch (USP), presidente do Conselho Curador da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom); e professor Giovandro Ferreira (UFBA), presidente da entidade.

       “Eu quero agradecer a todos que acreditam na comunicação como possibilidade de transformar o mundo”, disse o professor José Miguel Veloso (NITAE2), recepcionando a todos os presentes na UFPA. “Nunca vimos um envolvimento tão grande de todas as pró-reitorias, institutos e até outras instituições de ensino na organização de um Intercom como neste congresso na UFPA”, declarou a professora Margarida Kunsch, destacando a contribuição e colaboração institucional que tornou o evento possível.

              O objetivo das discussões empreendidas no congresso, segundo o professor Giovandro Ferreira, presidente da Intercom, foi o de “analisar diferentes implicações da crise para alcançar a sua superação”. Para o professor Marcelo Botelho, reitor da UFRA, co-realizadora do evento, vivemos, no momento atual, “a necessidade de buscar, como a natureza nos ensina, o equilíbrio. Extremos fazem parte da vida, mas, neles, a vida cai em quantidade e em qualidade. Uma região de floresta em equilíbrio é responsável por nos lembrar dessa necessidade”. O professor Marcelo destacou a realização do espaço Ecos da Amazônia, segundo ele, “um convite para o exercício da comunicação da universidade com o ensino, a pesquisa, a extensão, o empreendedorismo. O espaço foi uma tentativa de trazer vozes para a Universidade”, completou.

        Em discurso emblemático, o professor Emmanuel Tourinho,reitor da UFPA, disse esperar que o evento fosse “um estímulo ao trabalho cotidiano, ao conhecimento em nossa instituição e às cooperações em pesquisa, contrariando movimentos que não favorecem a pesquisa na Amazônia”.

“A Universidade tem compromisso com a vida digna de todos os povos e de todas as pessoas. Uma Universidade na Amazônia deve se preocupar em criar uma vida digna para esses seus povos. E não voltaremos a ser uma universidade para poucos. Não abrimos mão do projeto de ser uma universidade para todos. Estamos aqui para construir um futuro para a nação” completou o reitor.

           A abertura foi  abrilhantada pela forte presença do Corpo de Dança da Escola de Teatro e Dança da UFPA (ETDUFPA), que se apresentou com o espetáculo de dança “Das Profundezas do Rio”, com direção do professor Jaime Amaral; e do Grupo de Percussão da Escola de Música da UFPA (EMUFPA), que fez o público vibrar com o espetáculo de percussão “Árvores que tocam”, dirigido pelo professor Vanildo Monteiro. O palco foi ambientado pelo vídeo mapping de John Sabbá e, por fim, no Palco Intercom, teve o show de Félix Robatto e banda, tocando muito carimbó, cúmbia e guitarrada.

Encerramento

            No sábado, 7 de setembro, o evento encerrou com a cerimônia de premiação da Expocom (Exposição de Pesquisa Experimental em Comunicação), na qual foram premiados 69 trabalhos no total, das mais diferentes instituições. Como atrações culturais, o grupo Coisas de Negro, de Icoaraci, o cantor paraense Lucas Imbiriba, além da presença de vários personagens da cultura pop, com o grupo Cosplay World, do IFPA.

                Em Belém, o evento foi organizado pela Universidade Federal do Pará (UFPA), por meio do Núcleo de Inovação e Tecnologias Aplicadas a Ensino e Extensão (NITAE2); pela Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) e pelo próprio Intercom, com o apoio do governo do Estado do Pará, por meio da Fundação Amazônia Paraense de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa), da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), da Secretaria de Estado de Cultura (Secult) e da Universidade do Estado do Pará (UEPA); da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), do Instituto Federal do Pará (IFPA); da Infraero; da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp); e do governo federal, por meio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Núcleo de Inovação e Tecnologias Aplicadas a Ensino e Extensão – NITAE2 | Universidade Federal do Pará | Belém-PA.