Projetos e empreendimentos sustentáveis

Espaço Ecos da Amazônia promove diálogo entre Universidade, público e a sustentabilidade

Ações de sustentabilidade também estão presentes no 42º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Intercom 2019. Localizado ao lado do Centro de Eventos Benedito Nunes (CEBN), da Universidade Federal do Pará (UFPA), o espaço Ecos da Amazônia é uma feira de produtos e projetos sustentáveis aberta aos visitantes, alunos e congressistas do evento, bem como à comunidade em geral. “O Ecos surgiu com uma proposta de ser uma grande vitrine do que a Amazônia tem a oferecer. Nele, reunimos cooperativas, produtores, empreendedores sociais e projetos ligados a sustentabilidade”, contou Victor Oliveira, idealizador do projeto e pró-reitor de Gestão de Pessoas da Universidade Federal da Amazônia (UFRA).

O Espaço promove ações integradas à programação do Intercom 2019, gerando fluxos comunicacionais para contribuir com a economia, renda e valorização dos trabalhos de pesquisa e extensão desenvolvidos nas universidades locais. Entre esses projetos, podemos destacar o Grupo Bioma, realizado por alunos do curso de Ciências Biológicas da UFRA, em parceria com o ICMBIO e CEPNOR, para ações de conservação dos mamíferos aquáticos da Amazônia. Para esse projeto, os pesquisadores vendem objetos artesanais e personalizados de forma a gerar fundos para cuidados, manutenção e alimentação de um filhote de peixe-boi que tem intolerância a lactose.

Considerando que o Intercom 2019 é realizado na Amazônia, nele o público pode ter contato com as discussões de temas amazônicos e, também, com a gente daqui, a nossa cultura. Todos que passam pelo congresso, entre 2 e 7 de setembro, podem conhecer o espaço e, assim, descobrir ainda mais sobre as riquezas da região, podendo até levar parte uma parte dela consigo, através dos produtos disponíveis no espaço. O espaço reúne cooperativas, produtores, empreendedores sociais ligados a sustentabilidade, pesquisadores, entre outros. Esses agentes são fomentadores, pensadores e desenvolvedores de empreendimentos e projetos que resultam em geração de renda, economia e sustentabilidade na Amazônia.

Todas as pessoas podem conhecer o espaço Ecos da Amazônia. No espaço, é possível ter acesso a pesquisas feitas nas universidades locais, como é o caso do Laboratório de Análises e Tecnologias de Sementes da UFRA, que, segundo Maria Nayana, estudante do 6º semestre de Engenharia Florestal da referida universidade, tem o objetivo de mostrar a importância das sementes, através do seu papel na sustentabilidade, já que elas podem ser utilizadas na confecção de biojoias, por exemplo, e no reflorestamento: a semente de paricá tem um rápido crescimento e pode ser utilizada no reflorestamento de grandes áreas. Também dá para conhecer um pouco do Museu de Zoologia da UFRA, através de animais empalhados, maquetes e caixas entomológicas de insetos ou estrelas do mar, que estão disponíveis para auxiliar no compartilhamento dos conhecimentos sobre a vida animal.

Também pode conhecer o PET Solos, Programa de Educação Tutorial em Ciência do Solo, projeto de extensão da universidade, realizado em conjunto com os cursos de Agronomia, Engenharia Florestal e Engenharia Ambiental, os quais realizam duas atividades: a gestão de resíduos sólidos, por meio do recolhimento de materiais recicláveis na própria universidade e encaminhamento para o projeto Ecocelpa, que recicla e trata esses materiais; e o Abril Vermelho que promove ações desenvolvidas no município de Santa Bárbara, oferecendo correção de solo. Tais projetos realizam também atividades através dos SAFES, que são sistemas agroflorestais que trabalham a cultura agronômica e florestal através de atividades como, por exemplo, o cultivo hidropônico que utiliza sílica e solução nutritiva em mudas, evitando o uso de terra, substituindo-a com essa solução concentrada que contém 17 elementos nutritivos fundamentais pro solo. No stand do PET Solos, dá para comprar mudas de coentro e cactos por um preço acessível e ainda em promoção. Toda a venda é revestida para atividades do projeto.

Além dos projetos, há uma variedade de empreendimentos exclusivos da Amazônia, como a “Manioca: Alimentos Orgânicos”, empresa do ramo alimentício que oferece produtos alimentares orgânicos e sem conservantes, como geleias de muruci e cupuaçu, molho de tucupi preto, farinha de tapioca, farinha d’água de Bragança, feijão manteiguinha de Santarém e licor de flor de jamburana. Assim como é possível se deliciar com os produtos da Confeitaria Doce Reis, empresa familiar do ramo alimentício que produz alimentos de confeitaria com ingredientes naturais, sem conservantes, que valorizam a Amazônia, entre eles, biscoitos e cookies nos sabores tradicional, com massa amanteigada e chocolate, castanha com massa amanteigada e pedaços de castanha; e fit, sem açúcar, apenas cereais.

Além de alimentos, também dá para encontrar biojoias, como as feitas pela Val Genú. A Art’ Genuína é uma empresa de produção e venda de biojoias confeccionadas a partir da lamugem, argila refinada resultado da lama que sobra da mão do oleiro na produção do vaso. O insumo utilizado é adquirido em parceria com uma olaria localizada no bairro do Paracuri, grande Belém. Você encontra também as biojóias do Pescarte, projeto de extensão autossustentável voltado para a capacitação de comunidade pesqueira. Segundo a professora Jaqueline, coordenadora do projeto, o Pescarte oferece capacitação em confecção artesanal de biojóias para comunidades pesqueiras, com o objetivo de fomentar a valorização de produtos orgânicos e promover o empreendedorismo sustentável. O projeto se sustenta com as vendas das biojoias que são produzidas a partir de sementes e escamas.

Para presentear bebês e mamães, é possível ir na Alecrim Dourado: Ecoprodutos Materno-Infantil, empresa de produção, venda e revenda de produtos de uso feminino e materno-infantil. A Alecrim Dourado produz fraldas infantis reutilizáveis, absorventes menstruais e de seios para mulheres em fase de amamentação. Segundo Lilian Barros, professora e empreendedora, os produtos são impermeáveis, laváveis, respiráveis e duráveis, além de valorizarem a produção nacional e o empreendedorismo sustentável. O negócio começou há dois anos com a revenda de marcas como Madame Floresta e Cabocla, há um ano iniciou a produção.

Não é necessário sair do Intercom 2019 para ter acesso a produtos como esses. O espaço Ecos da Amazônia está montado à direita do Centro de Eventos Benedito Nunes (CEBN), no campus da UFPA, em Belém. Mas, ainda assim, caso a vontade seja conhecer mais da Amazônia, no espaço Ecos da Amazônia tem também a agência de turismo de base comunitária Guajará Turismo que, em parceria com a Amazônia Turismo, está oferecendo pacotes de passeios geoturísticos em comunidades paraenses. O pacote aberto para a vivência na comunidade Santo Amaro no próximo domingo, 8, pode ser encontrado no espaço Ecos da Amazônia, que funciona durante toda a programação do Intercom, de 10h às 19h, em todos os dias de evento.

Texto: Carlos Augusto Gomes da Silva e Flávia Souza
Edição: Felipe Florêncio

Núcleo de Inovação e Tecnologias Aplicadas a Ensino e Extensão – NITAE2 | Universidade Federal do Pará | Belém-PA.