Intercom para todos

Intercom 2019 desenvolve ações de acessibilidade na UFPA

Nesta segunda-feira (02), teve início o 42º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom 2019), na Universidade Federal do Pará (UFPA), em Belém. No credenciamento, foi montado um posto da Coordenadoria de Acessibilidade (CoAcess), da Superintendência de Assistência Estudantil (SAEST) da UFPA, para atendimento a pessoas com deficiência (PcDs).

Este ano, o Intercom 2019 oferece aos seus congressistas com alguma deficiência, total amparo e apoio necessário para a sua locomoção e participação em todas as atividades previstas dentro da UFPA, buscando integrar socialmente a pessoa ao evento e aprimorar sua qualidade de vida.

Segundo a professora Arlete Marinho, Coordenadora da Acessibilidade no Intercom, doutora em Educação, “de segunda até sábado a coordenadoria de acessibilidade vai assessorar as pessoas com deficiência. Composta de uma equipe que envolve audiodescritor, intérprete de Língua Brasileira de Sinais (Libras), e monitores que darão apoio aos congressistas”, explica.

Arlete também esclareceu como é voltado o trabalho à pessoa Pessoa com Deficiência (PCD). “A pessoa pode solicitar acompanhamento de alguém da equipe a qualquer momento, para auxiliá-lo nas suas atividades. Todo o cronograma da pessoa com deficiência foi planejado para ser desenvolvido no térreo dos prédios, para maior praticidade e deslocamento dos congressistas. A ideia é diminuir ao máximo as barreiras dentro da universidade”, esclarece.

Ainda de acordo com ela, “teremos também nas palestras principais a audiodescrição disponível às pessoas cegas e com baixa visão, pontos para receber audiodescrição ao vivo com a janela em Língua Brasileira de Sinais. Todos os esforços possíveis estão sendo feitos para eles terem a melhor experiência do evento”.

Acessibilidade na UFPA

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) indicam que 45,6 milhões de pessoas têm algum tipo de deficiência, o que corresponde a 23,91% da população brasileira. Mesmo com esse número expressivo, ainda são muitas as dificuldades encontradas por esta camada da população. A UFPA, no entanto, busca colaborar para modificar esta realidade, com intensos investimentos na acessibilidade dentro da instituição.

“Desde 2012 estou à frente da coordenação de acessibilidade da UFPA e estamos conseguindo disponibilizar esse serviço básico e essencial para eles. Todos os prédios do campus tem acessibilidade, uma rampa, um corrimão, elevadores, escadas”, finaliza Arlete Marinho.

 

Texto: Celso Junior

Edição: Enderson Oliveira

Fotografia: Rafaella Deprá

 

Núcleo de Inovação e Tecnologias Aplicadas a Ensino e Extensão – NITAE2 | Universidade Federal do Pará | Belém-PA.