Fórum de Rádios e TVs Universitárias

Desafios das emissoras e da educação no Brasil serão debatidos no Intercom 2019.

A ausência de uma legislação específica que regulamente as emissoras de rádio e TV universitárias, as restrições orçamentárias na educação, as ameaças à autonomia das instituições de ensino superior, a necessidade de fortalecer a radiodifusão pública e educativa e a defesa do acesso à informação estão entre os temas abordados no III Fórum de Rádios e TVs Universitárias, a ser realizado no dia 3 de setembro em Belém, durante o 42º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom 2019).

“Pesquisadores, professores e estudantes da área precisam juntar esforços e pensar coletivamente em estratégias, pois as ameaças que a radiodifusão universitária e a própria democracia têm sofrido são muito intensas. No Fórum de Rádios e TVs Universitárias, nós nos atualizamos, nos unificamos e nos fortalecemos para garantir uma defesa mais intensa da radiodifusão universitária”, afirma Iluska Coutinho (UFJF/Intercom), que coordena o evento ao lado de Marcelo Kischinhevsky (UFRJ), Valci Zuculoto (UFSC) e Debora Cristina Lopez (UFOP).

A terceira edição do Fórum de Rádios e TVs Universitárias terá duas mesas de abertura, ambas no período da manhã do dia 3 de setembro. A primeira abordará o tema “Gestão de rádios e TVs universitárias, elementos-chave do campo da comunicação pública e educativa, em um cenário de restrição orçamentária e ameaças à autonomia e à institucionalidade acadêmica”. No debate, o argentino Mario Giorgi, diretor de Rádio e TV da Universidad Nacional de Avellaneda e vice-presidente da Red Internacional Universitaria (associação das rádios universitárias da América Latina, Caribe e Europa) contará sobre a experiência em seu país, pioneiro mundial na radiodifusão universitária. “Na Argentina surgiu, já em 1924, a Radio Universidad Nacional de la Plata, seguida por diversas outras emissoras inspiradas pelos princípios da reforma universitária de Córdoba, de 1918, movimento que defendia a liberdade de cátedra, a autonomia acadêmica e a integração entre ensino, pesquisa e extensão, com reflexos para além dos muros da universidade”, explica o professor Marcelo Kischinhevsky.

Ainda na Mesa 1, Edgard Rebouças (Ufes) irá compartilhar sua trajetória na pesquisa das políticas de comunicação, incluindo a área de rádio e televisão universitária; e Francisco Machado Filho (Unesp) falará sobre sua experiência como coordenador da TV Unesp, além de tratar temas como ampliação do sinal de TV digital, captação de recursos para emissoras universitárias e articulações junto à Associação Brasileira da Televisão Universitária (ABTU) com vistas a uma legislação específica para esse campo de atuação.

“A discussão de institucionalidade das emissoras universitárias ganha importância num cenário de restrição orçamentária e ameaças à autonomia das instituições de ensino superior, diante de projetos de caráter privatista, como o recém-anunciado Future-se, posto em consulta pública pelo Ministério da Educação”, afirma Marcelo Kischinhevsky. A professora Iluska Coutinho completa: “O III Fórum de Rádios e TVs Universitárias tem como desafio contribuir para a consolidação do campo não apenas de estudos, como também de práticas. A academia pode pensar em alternativas que vão desde a regulamentação até o funcionamento e as estratégias de financiamento dessas emissoras”.

A segunda mesa do Fórum amplia o debate iniciado na primeira, abordando o tema “O papel da radiodifusão universitária na democratização da comunicação e no acesso à informação e ao conhecimento”. Além dos coordenadores Iluska Coutinho e Marcelo Kischinhevsky, a Mesa 2 contará com a participação de Nelia Del Bianco (UnB/UFG/Intercom) e a moderação de Maria Cristina Gobbi (Unesp/Intercom). “Debateremos a importância do investimento nas emissoras, muitas vezes entendidas por gestores das instituições de ensino superior como gastos, e não reconhecidas como parte de uma ação estratégica para comunicar-se interna e externamente, apoiando a divulgação científica e tecnológica, ajudando a construir conhecimento e oferecendo uma alternativa à mídia comercial”, afirma Marcelo Kischinhevsky.

No período da tarde, haverá uma mesa específica sobre as rádios universitárias e outra, sobre as TVs universitárias. Além disso, o Fórum abrigará a reunião anual da Rede de Rádios Universitárias do Brasil (RUBRA), criada no evento de 2018. “A RUBRA é uma entidade em fase de constituição. Seu estatuto está sendo revisado juridicamente para ser submetido a todos os participantes, e esperamos poder fazer isso em setembro, em Belém”, conta Marcelo Kischinhevsky. “A formalização terá um papel importante no reconhecimento das rádios universitárias como um conjunto de emissoras com interesses comuns, balizando a discussão de futuras políticas públicas que possam incrementar sua estrutura e dinamizar seu papel educativo e formativo.” Atualmente, a RUBRA conta com a adesão de sete emissoras FM, duas AM, 10 web rádios e quatro núcleos de produção radiofônica vinculados a universidades de Norte a Sul do Brasil. “Tivemos até 40 assinaturas nos manifestos publicados ao fim dos dois primeiros fóruns, o que mostra que a adesão deverá ser maior a partir da formalização da entidade”, completa.

O III Fórum de Rádios e TVs Universitárias se encerrará com uma reunião plenária, que deverá estabelecer os encaminhamentos a serem dados após os debates. “Vamos, mais uma vez, buscar fortalecer o campo da radiodifusão universitária e pensar em estratégias conjuntas. Um dos pontos será a articulação com parlamentares para criar propostas legislativas que deem conta da especificidade das emissoras universitárias”, afirma a professora Iluska Coutinho.

INTERCOM 2019: INSCRIÇÕES ATÉ 08/08

O Intercom 2019 será realizado de 2 a 7 de setembro na Universidade Federal do Pará (UFPA), em Belém. As inscrições de ouvintes seguem até o dia 8 de agosto e as vagas são limitadas. Para mais informações, acesse o Portal Intercom.

Além do III Fórum de Rádios e TVs Universitárias, os congressistas terão a oportunidade de se matricular em oficinas e minicursos, assistir a sessões de apresentação de trabalhos nos Grupos de Pesquisa, Intercom Júnior e Exposição de Pesquisa Experimental em Comunicação (Expocom), e conferir os livros e publicações lançados no Publicom. A programação do congresso inclui, ainda, eventos científicos como o IV Colóquio Latino-americano (Pan Amazônico) de Ciências da Comunicação, o VI Encontro Internacional do Colégio dos Brasilianistas da Comunicação, a Jornada Beltraniana 2019 (Rede Folkcom), o V Fórum Socicom-Intercom, o Fórum Ensicom 2019 (que terá a última audiência pública sobre as Diretrizes Curriculares de Publicidade e Propaganda), o 42º Ciclo de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, o IV Fórum Comunicação e Trabalho, o II Ciclo Amazônia e o IV Colóquio Jornalismo, Resistência e Literatura.

Clique aqui para conferir a programação preliminar do Intercom 2019.

Siga o Intercom 2019 no Facebook e no Instagram (@intercomnacional) para acompanhar as novidades.

 

Leia também:

 

Texto: Jornal Intercom

Núcleo de Inovação e Tecnologias Aplicadas a Ensino e Extensão – NITAE2 | Universidade Federal do Pará | Belém-PA.